quinta-feira, 15 de agosto de 2013

A presença afro-brasileira na nossa linguagem


Podemos destacar a presença da linguagem africana no nosso dia a dia, de proveniência africana temos as seguintes palavras: cachaça, moleque, quindim, jiló, macumba, marimbondo, cochilo, tanga, samba, maxixe, zabumba, acarajé, carimbó, canjica, etc. A linguagem africana influenciou também em alguns nomes como Jurema, Iuri, Joaquim, Jusefa, etc.


terça-feira, 13 de agosto de 2013

Acessórios e estampas que herdamos da África

A influência da África na cultura Brasileira

O Brasil tem a maior população de origem africana fora da África e, por isso, a cultura desse continente exerce grande influência, principalmente na região nordeste do Brasil. Hoje, a cultura afro-brasileira é resultado também das influências dos portugueses e indígenas, que se manifestam na música, religião e culinária

Devido à quantidade de escravos recebidos e também pela migração interna destes, os estados de Maranhão, Pernambuco, Alagoas, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul foram os mais influenciados.

Em 2003, a lei nº 10.639 passou a exigir que as escolasbrasileiras de ensino fundamental e médio incluíssem no currículo o ensino da história e cultura afro-brasileira.


Música
 
A principal influência da música africana no Brasil é, sem dúvidas, o samba. O estilo hoje é o cartão-postal musical do país e está envolvido na maioria das ações culturais da atualidade. Gerou também diversos sub-gêneros e dita o ritmo da maior festa popular brasileira, o Carnaval.


Capoeira
 
Durante décadas, a capoeira foi proibida no Brasil. A liberação da prática aconteceu apenas na década de 1930, quando uma variação (mais para o esporte do que manifestação cultural) foi apresentada ao então presidente Getúlio Vargas, em 1953, pelo Mestre Bimba. O presidente adorou e a chamou de “único esporte verdadeiramente nacional”.

Culinária
aprenda-a-fazer-uma-deliciosa-feijoada
 
Outra grande contribuição da cultura africana se mostra à mesa. Pratos como o vatapá, acarajé, caruru, mungunzá, sarapatel, baba de moça, cocada, bala de coco e muitos outros exemplos são iguarias da cozinhabrasileira e admirados em todo o mundo.

Mas nenhuma receita se iguala em popularidade à feijoada. Originadadas senzalas, era feita das sobras de carnes que os senhores de engenhos nãocomiam. Enquanto as partes mais nobres iam para a mesa dos seus donos, aos escravos restavam as orelhas, pés e outras partes dos porcos, que misturadascom feijão preto e cozidas em um grande caldeirão, deram origem a um dos pratos mais saborosos e degustados da culinária nacional.


terça-feira, 14 de maio de 2013

Criadoras

Colégio Santo Antônio
Donas: Amanda n°: 1
            Joana     n°:  12
            Larissa   n°: 13                                  9° ano   Turma: D
            Millena  n°: 21
            Sara       n°: 29

segunda-feira, 13 de maio de 2013

O Candomblé




Candomblé é uma religião derivada do animismo africano onde se cultuam os orixásVodunsNkisis dependendo da nação. Sendo de origem totêmica e familiar, é uma das religiões afro-brasileiras praticadas principalmente no Brasilmas também em outros países como UruguaiArgentinaVenezuelaColômbiaPanamáMéxicoAlemanhaItália,Portugal e Espanha.

Embora tenha sido originalmente à população de negros escravizados, inicialmente nas senzalasquilombos e terreiros, proibido pela igreja católica, e criminalizado mesmo por alguns governos, o candomblé prosperou nos quatro séculos, e expandiu consideravelmente desde o fim da escravatura em 1888. Embora sofra muitos  preconceitos no Brasil, aproximadamente 3 milhões de brasileiros  declararam o candomblé como sua religião .

Na mitologia yoruba,os orixás são ancestrais africanos que correspondem a pontos de força da natureza. As características de cada Orixá aproxima-os dos seres humanos, pois eles manifestam-se através de emoções como nós. Cada orixá tem ainda o seu sistema simbólico particular, composto de cores, comidas, cantigas, rezas, ambientes, espaços físicos e até horários.Há cerca de 600 orixás primários, divididos em duas classes ,sendo 400 dos Irun Imole e os 200 Igbá Imole, sendo os primeiros do Orun (céu) e os segundos da Aiye (Terra). A seguir temos alguns deles :

Oxalá – Pai de todos os Orixás;
Exu – Senhor dos Caminhos;
Ibeji – Gêmeos que protegem as famílias e as crianças;
Ogum – orixá Guerreiro;
Nanã – Mãe de Obaluaiê e Oxumaré, protetora dos doentes;
Oxossi – Orixá caçador, protetor dos caçadores, da mata e dos animais;
Iemanjá – Considerada por muitos como rainha dos mares e mãe de todos os Orixás ao lado de Oxalá, representa harmonia na família;
Ossaim – Orixá das plantas em geral, principalmente das ervas medicinais;
Obá – Representa o equilíbrio, justiça, uma das esposas de Xangô;
Obaluaiê – (Omolu, em sua forma velha). Conhece a cura de todos os males, por ser o deus das Pestes;
Logun-Edé – Responsável pelos leitos de mares e rios, filho de Oxum com Oxossi;
Oxumaré – Protetor das grávidas, Orixá da fortuna e da sorte;
Iansã – Senhora das tempestades, dos raios e dos ventos, Orixá guerreira;
Ewá – Rainha da magia, representa as chuvas;
Oxum – Rainha do ouro, do amor e de todas as águas doces;
Xangô – Orixá da Justiça.


Referencias: http://pt.wikipedia.org/wiki/Candombl%C3%A9

quarta-feira, 8 de maio de 2013

As religiões mais famosas



O Islamismo







Conhecida como a religião de Maomé, o islamismo é a religião quase 100% presente em países como Somália, Mauritânia, Saara Ocidental, Djibouti, Saara Ocidental, Tunísia, Marrocos, Argélia e Líbia. A difusão do islamismo no continente é justificada pelo comércio e pela conquista militar de territórios, principalmente nas tomadas que avançaram pelo alto vale do Nilo. O Egito e o Marrocos são os países em que a tradição islâmica é mais antiga. Mesmo com as constantes disputas territorialistas mantidas contra os Europeus, que também tentavam abolir as “fortalezas islâmicas”, os muçulmanos perseveraram ao longo dos anos como maioria no país. Conforme afirma muitos estudiosos, essa maioria em partes é resultado da própria condição de exploração e miséria a que o continente submeteu-se durante os anos, uma vez que uma dos principais ideologias do islã é a oposição ao Ocidente Imperialista.


O cristianismo




A África é o 2º território alcançado na história da expansão do cristianismo. O Egito é um dos países que mais apresentam importância para a difusão da religião de Jesus Cristo para os outros países, ao lado de outras figuras africanas históricas e que também foram convertidas ao cristianismo, como Tertuliano, Clemente de Alexandria, Orígenes, Cipriano de Cartago, Atanásio de Alexandria , Agostinho de Hipona e Marcos, o Evangelista, criador da Igreja Ortodoxa da Alexandria. Conforme afirmam as recentes pesquisas da Universidade Censur em El Jadida, Marrocos,  a estimativa é que a fé cristã continue a expandir-se no território e alcançar predominância em mais países do continente. Hoje, o cristianismo é maioria em 31 países africanos e soma 20% dos cristãos do mundo.

As crenças tradicionais




Grande parte do território da África do Sul possui tendências ao misticismo e espiritualismo. Isto porque, as práticas dos rituais tradicionais africanos envolvem a compreensão do imaterial e do divino e os países do Sul africano, graças a milenar cultura tribal, estão ligados a esse tipo de crença. A estimativa é de que a religião tradicional africana seja seguida por 100 milhões de habitantes de todo o território da África. A religião tradicional africana sofre certos preconceitos até os dias atuais, já que em muitas crenças utilizam práticas de sacrifício e adoração.
A cultura africana é muito rica em rituais e tradições antigas, que foram adotadas também pelos brasileiros. É de grande importância o respeito pelas práticas de religião africana, pois elas contam de modo diferente uma possível história da criação do mundo.



Referencias:http://www.blogers.com.br/religiao-africana/
 






 





terça-feira, 7 de maio de 2013

Religião da África


Do ponto de vista religioso, o continente africano apresenta uma rica variedade que reflete tanto o profundo espírito religioso de seus habitantes como a tolerância com que aceitam e assumem as propostas religiosas.


A população da África ultrapassa os 800 milhões, que por religiões, estão distribuídas assim: 316 milhões são muçulmanos, mais da metade deles nos países árabes do norte do continente, 256 milhões são cristãos, dentre os quais 124 milhões são católicos, aproximadamente 200 milhões seguidores das religiões tradicionais africanas, o restante se reparte entre as chamadas “Igrejas Independentes” ou de origem africana, muitas delas são separadas das igrejas cristãs históricas, e as numerosas seitas fundamentalistas que surgem constantemente, especialmente nas cidades.


Para entender melhor,o gráfico abaixo irá ajudar :